Me esqueci do sabido para me lembrar do esquecido” Barthes

Hoje faz duas semanas que eu pedalo pra me deslocar pela cidade. Duas semanas parece pouco, mas a verdade é que pra chegar aqui eu subi na bicicleta há muito tempo. Pois eu quero falar sobre as pessoas que gentilmente me mostraram que pedalar não só é possível, como é preciso!

O meu padrinho Beto, que me presenteou com o que foi a minha primeira bicicleta, uma Ceci Rosa que me fez tão feliz e meu pai guarda até hoje. O Dudu, meu irmão e companheiro de aventuras, que sempre armava uns esquemas pra carregar tudo o que podia na sua bike! Minha mãe que garantiu registros fotográficos de momentos mágicos com as nossas bicicletas. O meu pai que pedalou até os 25 anos, de Colombo a Curitiba, no calor ou na chuva, e tem até hoje a bicicleta que ganhou aos 8 anos. Meu pai que também carregava nossas bicicletas por mais de 900km todos os anos para pedalarmos na chácara dos meus avós durante as férias. O Renato que conheci em Cuba em 2011 e tanto falava sobre a incrível Renata Falzoni e a insanidade de uma cidade centrada em automóveis. A Gheysa que desde que a conheci em 2009 já se movia de bicicleta pra cima e pra baixo, mostrando que mulheres podem sim pedalar pela cidade. A Gheysa também me levou pra pedalar em Gotemburgo. O Ronaldo que também tá junto no pedal. O João que já durante a nossa graduação, pedalava e vinha fazer os trabalhos da faculdade aqui em casa de bike. A Joana, minha aluna, que um dia chegou atrasada na aula de semiótica (e felizmente bem e inteira!) depois de ter sido covardemente atropelada enquanto pedalava pra universidade. A Anita e a Débora, também alunas que pedalam. O Pedro que foi de bike para nossa aula de fotografia no Mercado Municipal. A tantas e tantos outros alunos que pedalam e eu não os conheço, mas sei que enchem o bicicletário da UTFPR. A Eliana e a Milena que depois do trabalho sobre mobilidade urbana na disciplina de semiótica (contrariando Santaella!), decidiram fazer o trabalho final de curso sobre o tema. A Luana que apareceu só pra dar um oi e um abraço na última bicicletada. O Augusto, meu companheiro da vida, que nunca teve carro e pedala como ninguém, meu bike anjo, com muito amor. A Fernanda, amiga de escola, que domingo de manhã passado, apesar da maior chuva, foi pedalar comigo. A moça que ontem enquanto eu, de bicicleta, esperava a Quitanda do Geraldo abrir, me convidou pra participar do Saia de Bici. O Érico que no dia mundial sem carro escreveu que está há 7.135 dias sem carro! O Doug que faz tantos registros bonitos das bikes que rodam pela cidade para o site cicloativismoGouraDanilo que tanto fazem e já fizeram para vivermos em uma cidade mais humana. Todas as pessoas que participaram da construção da Praça de Bolso do Ciclista, este lugar aonde utopia e realidade se encontram. O Vinícius, a quem eu devo o lindo (des)alinhamento dos meus cachos e tem umas bikes lindas penduradas no seu salão (mas não é só enfeite, ele também pedala.). Todas as pessoas que participam de bicicletadas e me mostram que somos muitos. A DeniseCarol, Akira, Guilherme, amigas e amigos que já vieram me visitar de bicicleta ou percorreram a cidade nas magrelas. O Belotto que, pelo Ciclovida da UFPR, mostrou que uma universidade pode e deve participar das mudanças que tanto precisamos. Todas as mulheres que já vi pedalando e me encheram de coragem. O Marco que já pedalou mais de 30km por pura parceria. O meu pai que nas últimas semanas em que eu disse que ia trabalhar pedalando, ao invés do tradicional “você vai morrer!”, só soltou um carinhoso “você não tem jeito” e mandou consertar a bicicleta que guarda desde os 8 anos pra pedalar comigo! O Willian e o Sampaio que pedalavam pra chegar até o IFPR, quando fui professora por lá. O Michele que está fazendo um documentário sobre pessoas e projetos inspiradores em Curitiba, incluindo projetos de bicicleta. O Renan que já foi companheiro em bicicletada.  O senhor que nem me conhecia, mas enquanto esperávamos o sinaleiro abrir disse “linda sua bicicleta! Mas ó, toma cuidado menina!”. O Plá que tem aquelas músicas tão legais (“pra andar de bicicleta tem que ter moral, tem que ter moral…”). O Luciano que há poucos dias fiquei sabendo que pedala também. O Tui que circula pela cidade de bike há um tempão. Todas pessoas que reduzem a velocidade de seus carros quando cruzam por mim de bicicleta na rua. A MaristelaAna Luíza, amigas do coração que ainda não pedalam, mas me dão o maior apoio. O Marcos que, apesar de motorista convicto, já ouvi dizer “mas bicicleta é muito massa!”. A Taís que pouco conheço, mas tanto me inspira com a Bonfim Bike. A Erika, Clarissa e Caroline com as quais passei pouco tempo em uma oficina de design colaborativo, mas são mulheres de força, atitude e pedal. Gheysa, MarcoSuelen, IvoneSilmara, Chris, Carol, Marcelo, Maíra, Graci, Julio, Gabriel, LeonardoEloy, companheiras de trabalho e do nosso pedacinho de céu na UTFPR, o “Se essa rua fosse nossa”.

Pois é, faz só duas semanas que eu pedalo. Mas no meu coração, essa pedalada já começou há muito tempo. E cada vez que ponho a bike no asfalto, cada um de vocês pedala comigo, me enchendo de coragem, esperança e liberdade. Obrigada por me fazerem acreditar que outra realidade não só é possível, como já existe.

Meu pai e sua bicicleta.

1959, Colombo. Meu pai orgulhoso ao lado da sua bicicleta.

Meu primeiro bike anjo, meu irmão Dudu.

1994, Jaguari (RS). Meu primeiro bike anjo, meu irmão Dudu. Quem será teve a ideia desta pose? Certamente coisa da minha mãe.

Dudu organizando sua carreta!

1995, Curitiba. Dudu organizando sua carreta!

2010, Buenos Aires. Bike tour pela cidade, melhor passeio da viagem!

2010, Buenos Aires. Bike tour pela cidade, melhor passeio da viagem, com o Augusto.

Marcha das 2012 bicicletas. Ronaldo, Augusto, Renan e Ana.

2012, Curitiba. Marcha das 2012 bicicletas. Ronaldo, Augusto, Renan, Gheysa e eu.

Bicicletada pelas 80 pessoas que morreram de bicicleta em Curitiba entre 2009 e 2012.

2012, Curitiba. Bicicletada emocionante, pelas 80 pessoas que morreram de bicicleta em Curitiba entre 2009 e 2012. Eu e Augusto participamos. (Esta bike roxa obviamente já não me servia direito.). Fotografia: cicloativismo.com

2014. Bênção de ciclistas.

2014, Curitiba. Bênção de ciclistas.

2014, Curitiba. Marcha das 2014 bicicletas.

2014, Curitiba. Marcha das 2014 bicicletas. João, Ana, Marco e Gheysa.

2014, Curitiba. Pedalando por pura parceria!

2014, Curitiba. Pedalando por pura parceria! Ana, Gheysa e Marco.

2014, Curitiba. Nossa Vaga Viva do “Se Essa Rua Fosse Nossa”. Maira, Julio, Silmara, Ana, Gheysa, Gabriel e Marco. Fotografias: Leonardo Prado.

2014. Fernanda e Ana, pedalando com chuva, domingo passado!

2014, Curitiba. Fernanda e eu, pedalando com chuva, no domingo passado! Fotografia: Doug Oliveira / cicloativismo.com

 

Deixe uma resposta